A ILHA

Final de 2007, início de 2008, não lembro bem fui convidado pelo escritor Luis Antônio de Assis Brasil a participar, junto com outros escritores, de uma coletânea de minicontos que seriam publicados pela Revista Magma, dos Açores. Em dezembro de 2008, saiu a edição.

“Postado no ponto mais elevado da ilha do Pico, contemplando as vertiginosas distâncias do oceano ele pensou no planeta como um barco à deriva. Mais tarde, olhando a cidade da vidraça de seu escritório, estendeu os braços. Queria tatear o horizonte, tocar em suas bordas. Por fim, seus pés desnudos abandonaram a platibanda do prédio e como um planeta sem órbita mergulhando num mar sem lendas, entendeu por efêmeros quatro segundos o que a mãe queria dizer quando afirmava que ele tinha, desde pequeno, um terno e enigmático rosto de náufrago.”