FALAR DE AMOR

Vamos falar de amor

não vamos esperar as abelhas tombarem sobre as flores
e o que era viço virar túmulo.

Não quero a luz do sol ressequida
antes que eu possa beijar-te as pálpebras
e ver tuas sementes jogadas pelos campos
enquanto rimos dos redemoinhos de vento.

Eu te espero como sempre te esperei antes de te conhecer.
Quando ainda havia um lapso de tempo entre nós.

Vamos falar de amor

enquanto a primavera envelhece conosco
e tua língua seja a palavra viva, vermelha e densa
a tocar o último e único céu que me resta.

Vamos falar de amor

vamos falar dos meus braços abertos
e tua nudez semeada por tudo que mói o tempo.

Vamos falar de amor

do meu amor coberto pelas folhas amarelas
que a árvore de tua vida me empresta
para que eu enfrente meu inverno.

Eu te espero como sempre te esperei antes de te conhecer

como uma violeta que pende de um vulcão
eu me dispo do meu corpo

para tomar o teu como meu.